3 coisas que a escola ensina para ser um empreendedor

Há duas semanas estava na casa da minha sogra em Bom Retiro do Sul quando bateram na porta dois meninos de mais ou menos 10 anos. Vou atende-los no portão e um deles rapidamente me indaga: Tio, quer comprar uma rifa?

Faço algumas perguntas sobre os prêmios e decido comprar um número por R$ 2,00 reais. Enquanto minha esposa vai pegar o dinheiro, troco mais uma ideia com o guri à frente das vendas e o seguinte dialogo acontece:

9610559102_40ed8c16a7_k

Eu: E como estão as vendas?

Guri: Boas. Mas esse aqui (referência ao amigo que estava junto) não vende bem. Eu gosto. Já vendi o meu bloco e agora estou vendendo o dele.

Eu: Bom vendedor você. E o pessoal compra?

Guri: Normalmente enrolam, mas eu sempre dou um jeitinho de vender. Hoje quero bater em todas as casas dessa rua para terminar esse bloco e amanhã já quero pegar mais um.

Eu: Parabéns! Você é um bom vendedor, hein?

Guri: Valeu tio!

Fico observando os guris se afastarem e vejo ali um vendedor nato.

Quando eles foram embora, fiquei refletindo sobre algumas atividades que fiz na minha época da escola e que auxiliaram a mim e as pessoas a terem sucesso, além de desenvolver o lado empreendedor. Existem várias, mas na minha opinião, três foram fundamentais e gostaria de compartilhar com você.

1 – Vender rifa

Sem dúvida foi uma atividade fundamental para desenvolver meu lado vendedor. Isso ajuda muito as crianças, pois você trabalha a relação do convencimento através da fala que é fundamental para qualquer profissional e também a relação com o dinheiro. O jovem precisa administrar os valores que entram e não gastar o dinheiro que não é seu. Além disso, aprende o valor do esforço com a recompensa, pois normalmente a rifa se destina a angariar fundos para uma viagem, festa ou algo que a escola precisa. Vender é uma arte que pode ser aprendida desde muito cedo. E vender os números de rifa forçam o aluno a sair da sua zona de conforto e aprender uma nova habilidade. E no final das contas, todos temos que vender algo sempre, pode ser um produto, ideia ou serviço.

2 – Participar de gincanas

Uma das atividades que eu mais gostava na escola era participar de gincanas. Inclusive, quando jovem, ajudei a organizar várias. Na gincana o aluno aprende a trabalhar em equipe, pois ninguém ganha uma gincana sozinho. E falando em ganhar, na gincana o jovem aprender o sabor da vitória, mas também o gosto amargo da derrota. E como devemos saber lidar com os dois. A gincana também faz com que a criatividade aflore. É preciso buscar soluções novas para desvendar os enigmas e charadas. E algo muito importante é que a gincana trabalha a desinibição. Quem já não participou de um teatro onde fez papel ridículo ou engraçado para a equipe somar uns pontinhos?

3 – Fazer parte de uma Miniempresa

Eu sei que este projeto não existe em todas as escolas, mas deveria. A mini-empresa é um projeto da Junior Achiviement desenvolvido para estudantes do 2º ano do Ensino Médio e simula a experiência em economia e negócios, na organização e na operação de uma empresa. Acontece em um período de 15 semanas, em jornadas semanais. Ele ensina na prática como funciona uma empresa desde sua fundação, operação e fechamento. Sabe aquelas coisas que você diz que mudou a sua vida? Pois é, para mim a Miniempresa transformou meu caminho. Foi aqui que despertei pela primeira vez para a possibilidade de ser dono do meu próprio negócio. Foi na miniempresa que fiz minhas primeiras apresentações de negócios e faturei meu primeiros reais como “empresário”. E aqui vai uma saudação especial para toda a turma do Imãs Imais, a miniempresa que fiz parte em 2001 no Castelinho. Este é um projeto transformador que todo jovem deve participar.

É claro que existem muitas outras coisas que vão auxiliar alguém a ser um empreendedor. Mas para mim estes três projetos foram pontos de mudança e me ensinaram lições práticas que levo comigo até hoje.

E você, tem outras experiências da época da escola que te ajudaram? Compartilhe comigo! Escreva um comentário. Ficarei super feliz em recebe-lo.

Ps: Esse artigo foi apresentado em forma de comentário no programa espaço empreendedor da Rádio Independente com apresentação de Rogério Wink. Ouça no link abaixo o programa completo:

www.independente.com.br/a-importancia-da-gestao-no-empreendimento-de-saude